Patrono dos Acólitos Portugueses

 

Francisco Marto

 

Francisco Marto , que teria hoje 104 anos de vida, morreu cedo, o encontro
definitivo com Deus que adorava deu-se nos seus primeiros 10 anos de vida.
Contudo a sua breve vida foi e continua a ser um grande testemunho de fidelidade
e de maturidade cristã. Sendo criança mostra-nos, na primeira pessoa, as palavras
de Jesus: “é dos que são como crianças, o Reino dos Céus”.
Francisco era uma criança e gostava das coisas de criança. Mas a sua fé era
adulta por isso procurava a oração e a contemplação como ocasiões fundamentais
para alimentar a fé. Francisco era um contemplativo e tinha na Eucaristia o centro
da sua contemplação. Podemos mesmo dizer que Francisco Marto, com os seus
verdes anos de vida, foi um grande místico da Igreja.
Um acólito deve olhar para o Beato Francisco como um verdadeiro exemplo
de vivência cristã e de exercício do seu ministério do altar. Não tendo sido acólito,
ele é na verdade um grande estímulo para quem exerce este ministério.
Que os acólitos mais novos olhem para o Beato Francisco Marto, criança
como eles, e como ele, sigam com grande devoção e maturidade a fé na
simplicidade de uma criança.
Que os acólitos jovens se voltem para Cristo, que o Beato Francisco Marto
contemplava, e com a sua juventude saibam crescer na fé e no serviço ao mesmo
Cristo.
Que os acólitos adultos sigam o exemplo do Beato Francisco Marto, que na
sua fé adulta indicava um verdadeiro sentido de conversão, e como ele, sejam
adultos na fé, mas com a simplicidade de uma criança.
Que o Beato Francisco Marto acompanhe e anteceda junto de Deus todos os
acólitos portugueses.
Sejam verdadeiros servidores de Cristo presente no Altar e O contemplem e
adorem como fonte e força para a Vida!
                                                                                                                                 

 

Pe. Luís Leal